terça-feira, 19 de março de 2024

As fotografias de Eduardo Gageiro (na Cordoaria)

Não sei como é, mas, com uma lente apontada às coisas exteriores e fotografáveis (ruas, caras, gestos, sombras), Gageiro dá-nos a ver o nosso subconsciente coletivo. Ali, temos o mínimo e o mito. O segredo e a vida distraída, tão exata que parece quase encenada. 

quinta-feira, 14 de março de 2024

segunda-feira, 11 de março de 2024

A fealdade

"A fealdade do tempo presente tem efeitos retroactivos."


(Karl Kraus, Aforismos, trad. Lumir Nahodil)

sábado, 9 de março de 2024

Pietra!

Não é possível. Os deuses da nossa infância não morrem. Pietra anda por aí, só que um tudo-nada mais subtilmente. Um craque do tempo em que "amor à camisola" não era uma maneira de dizer, era uma evidência; do tempo em que estilo não tinha nada a ver com marketing; do tempo em que o futebol era maior do que a vida — Minervino Pietra. Obrigado, campeão.

quinta-feira, 7 de março de 2024

Uma ideia geral do todo

"Algumas raparigas não apreciaram a pompa com que o presidente foi recebido. Diziam que todos os pais deviam ser iguais. Encontra-se sempre alguma aluna subversiva, escondida num colégio. São os primeiros sintomas do seu pensamento político, ou daquilo a que se poderia chamar uma ideia geral do todo." 


("Felizes anos de castigo", Fleur Jaeggy, trad. Ana Cláudia Santos)

segunda-feira, 4 de março de 2024

O chão

"O chão tem de lá estar para limitar o céu."


(John Berger em "Portraits", no ensaio sobre Antonello da Messina) 

terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

A história do homem do saco

No jardim, atacado pelo frio da manhã, o homem põe-se dentro de um saco. À tarde, cansado como tudo, pega no saco e leva-se dali para fora. O caminho é longo e a carga é pesada. Quando chegar ao seu destino e se vir a espreitar do saco, o homem há de se surpreender e há de se lembrar, tudo ao mesmo tempo. O quê, tornei-me uma história?

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024

Como os chineses

"Aos dezasseis anos comportamo-nos inconscientemente como os chineses. Devorados pelo pudor da inocência, tecemos a nossa eternidade numa chuva, num cair de diospiros de ouro."


(Cristina Campo, Os Imperdoáveis)